Batu caves ( kuala Lumpur), a casa do deus Murugan

Não há visita que se preze em Kuala Lumpur, não pare para ver as Cavernas Batu, as impressionantes cavernas naturais que atraem milhares de devotos hindus e visitantes incrédulos perante a grandiosidade e a religiosidade do local. Estão tão perto da capital ( apenas cerca de 13 km) e são tão fáceis de aceder a sair da Malásia sem conhecê-las é quase um pecado. Vamos contar quais são essas cavernas, que há nelas, porque atraem tanta gente e como não, a nossa experiência no lar do deus Murugan.
O Que são?
As cavernas Batu são uma caverna naturais carregadas de misticismo que são dedicadas a diferentes divindades indiana e que anualmente vêm 1,5 milhões de devotos e mais de um milhão de turistas. Seu nome se deve pelo próximo rio Batu e foram dadas a conhecer ao mundo pelo naturalista americano William Hornaday, em 1878. A pedra calcária destas grutas têm em torno de 400 milhões de anos e parece que sua primeira função foi a de abrigo para os indígenas que habitavam a área, tornando-se no século XIX, em lugar de culto hindu, graças ao sonho de um comerciante indiano.

O complexo é composto de 3 cavernas principais, dedicado ao deus Murugan, filho de Shiva e Parvati, que é adorado no mundo hindu por milhões de pessoas, e ele é acessado por uma impressionante escadaria de 272 degraus talhados na rocha, junto à estátua de 42 metros do deus Murugan, a maior estátua do mundo esta divindade hindu. A entrada para o complexo é enorme, como o é a caverna principal, chamada “a catedral”, de cerca de 100 metros de altura e onde as rachaduras por onde entra a luz do sol dão um ar místico ao lugar. Também existem cavernas menores, como o Museu da caverna, Ramayana, Valluver Kottam ou caverna escura, onde a reclamação é que habita a espécie de aranha mais rara do mundo ( tem que pagar para entrar nesta caverna). Não sei se o deus Murugan era amigo dos macacos, mas a quantidade deles nestas cavernas é tal, que fazem parte da visita, queira ou não. Assim que fechar sua mala ou mochila, não tira comida e passa um pouco deles porque eles têm muito má ideia.

A este lugar sagrado, realizado todos os indiana da Malásia e é onde tem lugar a cada ano o festival Thaipusam, uma celebração religiosa do sul da índia dedicada ao deus guerreiro Murugan. Conta a lenda que a deusa Parvati entregou a seu filho Murugan uma lança neste dia para lutar contra o demônio, e como a coisa parece que funcionou bem, daí a celebração, que exalta a vitória do bem sobre o mal. Os peregrinos atravessam a língua, boca, braços ou costas com objetos pontiagudos, como lanças, facas ou ganchos onde penduram oferendas ao deus. As mulheres e as crianças carregam em suas cabeças taças com leite, como oferendas. Como o festival é realizado em janeiro ou fevereiro, e nós não estávamos lá, deixo-vos algumas fotos que achei pela rede.
A nossa visita
Uma vez chegados aos pés da grande escadaria, e depois de ficar estarrecido com a gigantesca estátua, tem que subir com calma os degraus até chegar à primeira área da caverna, esquivando-se os primeiros macacos que, desafiadores em corrimões, esperam qualquer descuido do visitante para roubar algo. Uma vez, na grande caverna, se vêem pequenos santuários, com oferendas, ouvir música religiosa e mais escadas ( também mais macacos, centenas deles). A luz que rodeia as cavernas é místico, respira-se muita religiosidade no lugar e olharmos para os peregrinos com suas ofertas, famílias inteiras que trazem seus bebês pequenos, pessoas rezando e muito engraçado como nós. Sempre me é chocante ver como outras culturas vivem sua religião e como o hinduísmo nunca tinha vivido tão perto, eu considero a visita muito interessante para qualquer viajante.

Depois de um bom tempo lá decidimos baixar os principais degraus do templo, esquivando-macacos e admirando de novo a impressionante figura do deus Murugan, verdadeiro protagonista deste curioso templo hindu. E como o calor é sufocante, aproveitamos para tomar um coco bem frio nos postos ambulantes antes de continuar a caótica e multicultural Kuala Lumpur…..
Como chegar
É muito fácil chegar às Cavernas Batu de Kuala Lumpur, tomando o comboio: desde a estação sentul ( cerca de 15 minutos) ou a partir de KL Sentral com o Komuter KL. O ônibus 11D do mercado central também te deixa em cavernas e se preferir táxi (sai mais caro) obligad que ponham o taxímetro. Endereço: Jalan 50. Kampung Selayang Baru, 68100, batu Caves, Selangor, Malásia. Horário: das 7 às 7 pm. Entrada: gratuita.
Links de interesse
– Cavernas Batu, Turismo da Malásia.
– Festival Thaipusam na wikipédia ( em inglês).

Não há visita que se preze em Kuala Lumpur, não pare para ver as Cavernas Batu, as impressionantes cavernas naturais que atraem milhares de devotos hindus e visitantes incrédulos perante a grandiosidade e a religiosidade do local. Estão tão perto da capital ( apenas cerca de 13 km) e são tão fáceis de aceder a sair da Malásia sem conhecê-las é quase um pecado. Vamos contar quais são essas cavernas, que há nelas, porque atraem tanta gente e como não, a nossa experiência no lar do deus Murugan. 
O Que são? 
As cavernas Batu são uma caverna naturais carregadas de misticismo que são dedicadas a diferentes divindades indiana e que anualmente vêm 1,5 milhões de devotos e mais de um milhão de turistas. Seu nome se deve pelo próximo rio Batu e foram dadas a conhecer ao mundo pelo naturalista americano William Hornaday, em 1878. A pedra calcária destas grutas têm em torno de 400 milhões de anos e parece que sua primeira função foi a de abrigo para os indígenas que habitavam a área, tornando-se no século XIX, em lugar de culto hindu, graças ao sonho de um comerciante indiano. 


O complexo é composto de 3 cavernas principais, dedicado ao deus Murugan, filho de Shiva e Parvati, que é adorado no mundo hindu por milhões de pessoas, e ele é acessado por uma impressionante escadaria de 272 degraus talhados na rocha, junto à estátua de 42 metros do deus Murugan, a maior estátua do mundo esta divindade hindu. A entrada para o complexo é enorme, como o é a caverna principal, chamada "a catedral", de cerca de 100 metros de altura e onde as rachaduras por onde entra a luz do sol dão um ar místico ao lugar. Também existem cavernas menores, como o Museu da caverna, Ramayana, Valluver Kottam ou caverna escura, onde a reclamação é que habita a espécie de aranha mais rara do mundo ( tem que pagar para entrar nesta caverna). Não sei se o deus Murugan era amigo dos macacos, mas a quantidade deles nestas cavernas é tal, que fazem parte da visita, queira ou não. Assim que fechar sua mala ou mochila, não tira comida e passa um pouco deles porque eles têm muito má ideia. 


A este lugar sagrado, realizado todos os indiana da Malásia e é onde tem lugar a cada ano o festival Thaipusam, uma celebração religiosa do sul da índia dedicada ao deus guerreiro Murugan. Conta a lenda que a deusa Parvati entregou a seu filho Murugan uma lança neste dia para lutar contra o demônio, e como a coisa parece que funcionou bem, daí a celebração, que exalta a vitória do bem sobre o mal. Os peregrinos atravessam a língua, boca, braços ou costas com objetos pontiagudos, como lanças, facas ou ganchos onde penduram oferendas ao deus. As mulheres e as crianças carregam em suas cabeças taças com leite, como oferendas. Como o festival é realizado em janeiro ou fevereiro, e nós não estávamos lá, deixo-vos algumas fotos que achei pela rede. 
A nossa visita 
Uma vez chegados aos pés da grande escadaria, e depois de ficar estarrecido com a gigantesca estátua, tem que subir com calma os degraus até chegar à primeira área da caverna, esquivando-se os primeiros macacos que, desafiadores em corrimões, esperam qualquer descuido do visitante para roubar algo. Uma vez, na grande caverna, se vêem pequenos santuários, com oferendas, ouvir música religiosa e mais escadas ( também mais macacos, centenas deles). A luz que rodeia as cavernas é místico, respira-se muita religiosidade no lugar e olharmos para os peregrinos com suas ofertas, famílias inteiras que trazem seus bebês pequenos, pessoas rezando e muito engraçado como nós. Sempre me é chocante ver como outras culturas vivem sua religião e como o hinduísmo nunca tinha vivido tão perto, eu considero a visita muito interessante para qualquer viajante. 


Depois de um bom tempo lá decidimos baixar os principais degraus do templo, esquivando-macacos e admirando de novo a impressionante figura do deus Murugan, verdadeiro protagonista deste curioso templo hindu. E como o calor é sufocante, aproveitamos para tomar um coco bem frio nos postos ambulantes antes de continuar a caótica e multicultural Kuala Lumpur..... 
Como chegar 
É muito fácil chegar às Cavernas Batu de Kuala Lumpur, tomando o comboio: desde a estação sentul ( cerca de 15 minutos) ou a partir de KL Sentral com o Komuter KL. O ônibus 11D do mercado central também te deixa em cavernas e se preferir táxi (sai mais caro) obligad que ponham o taxímetro. Endereço: Jalan 50. Kampung Selayang Baru, 68100, batu Caves, Selangor, Malásia. Horário: das 7 às 7 pm. Entrada: gratuita. 
Links de interesse 
– Cavernas Batu, Turismo da Malásia. 
– Festival Thaipusam na wikipédia ( em inglês).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *